Notícias

Mercado do boi aponta bons números para 2020

06/07/2020

Apesar dos efeitos da pandemia na economia, as perspectivas futuras para o mercado do boi gordo apresentam projeções positivas para a pecuária nacional. Essa constatação foi apresentada pelo médico-veterinário e analista do mercado do boi gordo, Rodrigo Albuquerque, durante as duas lives promovidas pela Connan, nos dias 09 e 23 de junho, no canal do YouTube da empresa.

“Se em janeiro, quando iniciei minhas análises, alguém me falasse o cenário que enfrentaríamos eu, com certeza, teria uma visão muito preocupante de futuro. Hoje, quando olhamos para o mercado, que apresenta um preço da arroba superior à estimativa da média Brasil e a situação complicada de outros setores da economia, podemos dizer que a pecuária apresenta um destino suave no cenário atual”, destacou o analista.

De acordo com a análise da média diária do preço da arroba ao longo deste ano, com os números praticados até o início de junho e a projeção para os próximos meses, pode-se visualizar uma alta de 20,7%, em comparativo a 2019.

“Acredito que dificilmente registraremos uma arroba na casa dos R$ 240,00 ou mais, porém analisando o comportamento do mercado acredito que flutuaremos em valores entre R$ 200,00 e R$ 220,00”, enfatizou.

Reposição Valorizada

A análise dinâmica da valorização do movimento de reposição, com foco nos números do indicador de bezerros, mostra uma alta considerável desde a desmama de 2017. “Gosto muito de analisar a relação de quantas arrobas de boi preciso para comprar um bezerro. Essa relação é bacana, pois reflete a maioria dos pecuaristas que vende um boi para comprar um ‘novo’ animal”, explicou Albuquerque.

Segundo o analista, o pico histórico dessa relação foi em 2015, quando era preciso 10@. Hoje a estimativa é de 9,5@, ou seja, o segundo maior nível. “É fato que subiu, que está aquecida. A realidade é que estamos rifando nossos bezerros do futuro em virtude do alto volume de abate de fêmeas jovens. Esse movimento foi muito grande em 2019, quando assistimos uma disputa da fêmea entre a produção de carne e a reprodução”, explanou.

Neste cenário, o pecuarista deve olhar para o seu negócio e passar a usar melhor os recursos e as tecnologias que já são aplicadas nele. “Deve-se conhecer muito mais sobre a gestão produtiva e financeira da propriedade. Temos que passar a nos dedicar a entender melhor e definir exatamente o dia que o bezerro vai sair da sua fazenda terminado e qual o seu preço de venda. É importante determinar qual a previsão de custo de entrega deste animal”, acrescentou.

Gestão é a chave do sucesso

Albuquerque ressaltou em sua apresentação que, apesar de todas essas análises e gráficos que indicam como será o ano, ninguém consegue afirmar 100% como será 2020. Diante disso, como o pecuarista vai tomar a decisão de venda?

Segundo ele, para que o pecuarista consiga fazer uma venda otimizada, é necessário que a propriedade alie gestão produtiva e financeira, tendo assim o conhecimento, com antecedência, do seu custo de produção e qual o valor da arroba do boi pronto deve praticar no mercado.

Primeiramente é importante saber qual a curva de lotação de cada um dos pastos da fazenda. Com esses dados, o pecuarista deve analisar sua realidade e construir a curva de lotação para os próximos 12 meses. “Tendo essa definição é possível saber exatamente quantos animais o pasto comporta. Este é o primeiro ponto para resolver a equação do bezerro valorizado”, afirmou Albuquerque.

Em seguida, o pecuarista deve desenvolver uma planilha indicando as categorias presentes no seu rebanho e determinar, para o período de um ano, quantos gramas de ganho de peso os animais devem apresentar mensalmente. “Para isso é importante desenhar um plano anual de nutrição, que indicará como deve ser feito o manejo dos suplementos para que possa chegar ao ganho esperado no tempo determinado”, completou o analista.

Olhando para a gestão financeira, é importante ter em mente todos os custos fixos da propriedade (mão de obra, manutenção, administração etc.), que devem ser diluídos pelas cabeças de gado que serão acomodadas na fazenda. “Isso precisa estar claro na cabeça do criador. Com base na taxa de lotação, no custo fixo da propriedade e no plano anual de nutrição é possível determinar o valor de venda da arroba do boi, que cobrirá os gastos de produção e garantirá lucratividade à atividade”, ressaltou.

“Temos que gastar um tempo na gestão da fazenda para conhecer todos os detalhes de produção e seus custos a fundo. Com esses dados teremos mais certeza no momento da venda, pois saberemos qual o valor da arroba cobre o custo da produção e ainda qual nível de risco podemos correr, com base nos pagamentos que temos que efetuar com a venda do rebanho”, salientou.

“A solução é individual. O pecuarista deve ser íntimo de seus números, pois somente com a análise deles conseguirá decidir qual o melhor caminho a seguir para que no final garanta a lucratividade da fazenda”, finalizou.

Assista a íntegra das lives:

“A decisão é agora! Saiba o horizonte do Mercado do Boi em 2020” – https://www.youtube.com/watch?v=W0YkL5POkW0

“Reposição Valorizada: o que é preciso saber para decidir” – https://www.youtube.com/watch?v=mne2iQryg5s